Estado VS Mercado, uma breve reflexão.

morpheus
Eu não sei se tive mais sorte ou mais azar do que as pessoas que tiveram aulas de Sociologia e Filosofia no ensino fundamental e médio, porque não tive aulas de filosofia nem de sociologia na escola.
 
Cheguei a ter aulas de Educação Moral e Cívica e OSPB (Organização Social e Política do Brasil), matérias das quais gostava muito por achar que estavam mais ligadas à realidade fática do que outras muito teóricas e abstratas.
 
Isso dever ter sido entre 1980 e 1984, final da ditadura militar mas, por incrível que pareça não havia doutrinação anti-comunista.
 
Alias comunismo é um termo que sempre me soou estranho e Marx sempre foi uma figura mitológica, cujas doutrinas pouco conheço até hoje.
 
Todas as minhas conclusões vem de reflexões, leituras e análises de dados “oficiais” nacionais e internacionais.
 
Foi só a partir do 7 período do curso de Direito que senti a necessidade de estudar Filosofia e Sociologia.
 
A Filosofia precisei estudar para entender o conceito de Justiça, que por mais absurdo que possa parecer é o que menos estudamos na Faculdade de Direito.
 
A Sociologia precisei estudar para entender a Sociedade e o Fato Social origem e razão de ser do Direito.
 
Então muito me estranha a reação de muitas pessoas quando faço críticas ao “Mercado” e ao modelo de “Sociedade de Consumo e do Espetáculo”.
 
Em razão de tais críticas, muitas vezes sou “rotulado” de comunista ou de Marxista ou acusado de estar defendendo ou propagando ideias Marxistas, como se não fosse um direito meu concordar com tais ideias e propaga-las, coisa que não faço justamente por não ser adepto das teorias de Marx ou pelo menos não da maneira como muitos propõe implantá-las, ou seja à força através da “Revolução”.
 
Nesse sentido devo deixar claro que não acredito em revoluções e sim em evoluções. E da mesma forma que os adeptos às teorias de Darwin acredito que a natureza não dá saltos e que a evolução ocorre lentamente, tão lentamente que nem percebemos.
 
Contudo me parece inegável que as mazelas que hoje vivemos, quando não tiveram origem nos dogmas e valores impostos pelo “Marcado” e pelo modelo de “Sociedade do Consumo e do Espetáculo” com certeza foram potencializados nesse contexto.
 
O que vejo é que o “Capitalismo” se tornou quase que uma Religião (Walter Benjamin) e deu origem ao modelo de “Sociedade do Consumo e do Espetáculo” onde o Mercado é o “DEUS” a ser adorado e o LUCRO o maior de seus mandamentos.
 
Nessa “Sociedade do Consumo e do Espetáculo” vejo o “Mercado” como o DEUS onipresente e onipotente que deve ser sempre satisfeito e obedecido e em nome do qual muitos sacrifícios são exigidos e realizados.
 
Não foi com Hobbes que aprendi que o “homem é o lobo do próprio homem”. Foi a partir de minha experiência de vida pessoal e profissional que cheguei à conclusão de que a maior ameaça à um ser humano é apenas outro ser humano, pois é isso que vemos diariamente nos fóruns de justiça.
 
Nessa “Sociedade do Consumo e do Espetáculo” vejo que os valores primário são o EU e o MEU e todos querem apenas TER ou SER mais do que os outros.
 
Por mais que tais valores sejam pré-existentes à “Sociedade do Consumo e do Espetáculo”, me parece claro que esse modelo de sociedade potencializou tais valores, que h;a muito já deveria ter sido superados.
 
Me parece claro ainda que algumas sociedades como a Grega, a Egípcia e até mesmo a Romana (em grau muito menor) havia conseguido transcender tais valores ainda que não os houvessem eliminado por completo.
 
E ainda que seus conceitos de direitos e garantias individuais fossem muito distantes dos nossos, me parece que suas vidas não eram pautadas exclusivamente em função de Status Social ou em razão de ideias e conceitos artificias e e tão abstratos que superam os dogmas mais absurdos das religiões mais supersticiosas que já existiram.
 
Mas quando paro para refletir sobre esse tipo de reação das pessoas, reação exatamente como a de vocês, meus queridos amigos tudo o que vem à mente são as palavras de MORPHEUS:
 
“Você precisa entender, a maioria destas pessoas não está preparada para despertar. E muitas delas estão tão inertes, tão desesperadamente dependentes do sistema, que irão lutar para protegê-lo”.
 
VIDA LONGA E PRÓSPERA
PAZ PROFUNDA À TODOS.
  • rafael

    texto bacana, é realmente triste ver como as coisas estão polarizadas ao ponto de se você critica ou defende algo automaticamente já é taxado. Entendo que o capitalismo tem seus benefícios,principalmente na flexibilidade, mas no geral concordo com suas criticas a ele,e algumas pessoas realmente enxergam o mercado como deus,o que é ironico já que estes geralmente criticam os outros por terem “marx” como um deus.